Qual o limite diário que uma pessoa pode comer de chocolate?

O chocolate é um dos alimentos mais consumidos no Brasil. A nível de informação, somente no primeiro semestre de 2015, foram consumidos aproximadamente 190 toneladas de chocolate, conforme a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates , Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (ABICAB).

Qual o limite diário que uma pessoa pode comer de chocolate?
Qual o limite diário que uma pessoa pode comer de chocolate?

Por esse motivo, é necessário redobrar a atenção quanto às restrições de consumo. As vezes pensamos que pessoas saudáveis não precisam ter essa atenção pois, pelo fato de ter uma alimentação moderada, podem exagerar no consumo do chocolate.

Aí é que nos enganamos. Até mesmo as pessoas mais saudáveis devem tomar cuidado na hora de abrir aquela deliciosa barra de chocolate. Segundo a ABICAB, o limite diário que uma pessoa pode consumir é apenas 50 gramas.

download (1)Isso mesmo, você não entendeu errado. Apenas 50 gramas por pessoa. É como se pegássemos uma barra dessas tradicionais que vendem nas bombonieres e supermercados e a dividíssemos em 4 partes, consumindo uma parta por dia, ou a exatamente dois brigadeiros.

download (2)Esse limite é estabelecido devido a grande quantidade de gordura e açúcar contidos no chocolate industrializado.

O consumo excessivo da guloseima, além de poder trazer doenças (diabetes é a mais conhecida), pode fazer com que a pessoa ganhe quilos sem perceber. Outra desvantagem que o açúcar e gordura excessivos podem trazer ao ser humano é o fato do mesmo ter problemas na pele, como por exemplo, aumento significativo de acnes no rosto.

Existem ainda aqueles chocolates que possuem uma maior quantidade de cacau em sua fórmula. Isso não significa que o mesmo seja mais saudável que os demais, mas sim que possui um teor de açúcar e gordura menores, o que faz com que a pessoa possa aumentar (pouca coisa) a quantidade de consumo ao dia.

download (3)O chocolate quando consumido com moderação, ajuda na prevenção de doenças cardiovasculares, e na diminuição da pressão arterial, pois o cacau contém substancias que tem essa finalidade.

O lado obscuro do chocolate: o trabalho infantil

Saber-se que a erradicação do trabalho infantil ao redor do mundo ainda é algo distante. Mesmo com a política global de término para o trabalho de crianças, é evidente que ainda há a exploração do trabalho daqueles que deveriam estar na escola, principalmente em regiões como os países do continente africano. Nesse contexto, as vastas plantações de cacau, que estão presentes em países como a Costa do Marfim e são matéria prima para o chocolate de empresas famosas entram para o obscuro lado do trabalho infantil no mundo. Continue lendo “O lado obscuro do chocolate: o trabalho infantil”

Chocolate ajuda no combate ao Alzheimer

happy kidsDurante muitos anos, o chocolate foi considerado um dos maiores vilões alimentares do século por causa do seu alto teor de açúcar e gordura. No entanto, para alegria de todos e felicidade geral da nação, estudos recentes vêm derrubando este mito e descobrindo cada vez mais benefícios para quem ingere chocolate regularmente em quantidades moderadas.

Uma dessas pesquisas foi realizada na Universidade de l’Aquila, no centro da Itália, e obteve resultados surpreendentes: se consumido da maneira correta, o chocolate pode trazer benefícios ao cérebro.

A equipe do geriatra Giovambattista Desideri monitorou durante dois meses 90 idosos com problemas de saúde. Os pacientes foram divididos em três grupos: o primeiro recebia 500mg de flavonoides de cacau por dia, o segundo apenas um grama e o terceiro consumia apenas placebo (substância neutra sem princípios ativos).

Enquanto o grupo que recebeu placebo não apresentou alteração, os outros 60 idosos apresentaram diminuição da pressão arterial e aumento na rapidez de raciocínio. Segundo o médico, é um importante avanço na luta contra o Mal de Alzheimer.

A redução na pressão arterial foi de até 5mm, o que significa uma diferença enorme. Se a técnica for aplicada por pessoas a partir dos 45 anos, milhares de casos de infarto, insuficiência renal e isquemia cerebral poderão ser evitados.

A melhora da capacidade cognitiva, geralmente reduzida em idosos, foi bastante significativa e afetou funções como memória, raciocínio, percepção e linguagem. Segundo a pesquisa, o consumo diário de chocolate poderia evitar a perda das funções cerebrais, frequente na população acima de 60 anos.

Outro estudo, publicado pelo Research ande Development at the Alzheimer’s Society, concluiu que o consumo diário de chocolate quente melhora a circulação sanguínea no cérebro, aumentando o fluxo de sangue para as áreas responsáveis pela memória e outras tarefas importantes. Os cientistas monitoraram voluntários que consumiram a bebida por um mês e depois fizeram um teste de memória, no qual foi constatada uma melhora de desempenho de 8,3%.

Vale lembrar que a ingestão do doce em grandes quantidades pode causar obesidade e diabetes. Portanto, um ou dois quadradinhos por dia (no máximo 10g) são suficientes, e o ideal é escolher a versão amarga (pelo menos 80% de cacau). No caso do chocolate quente, são permitidos dois copos por dia.

A história do chocolate

A história do chocolate
A história do chocolate
A história do chocolate

A história do chocolate se inicia com os primeiros vestígios da descoberta do chocolate em cerca de 1.500 a.C. e vêm da civilização Olmeca que habitava o México na época.

Posteriormente o cacau foi utilizado pelos Maias e Astecas em forma de bebida, considerada sagrada. Nas cerimônias religiosas, o cacau torrado era servido com especiarias e mel e tinha gosto mais amargo. Nesse mesmo período, o cacau era tão valioso que foi até utilizado como moeda de troca. Esse foi o inicio da história do chocolate.

Cristóvão Colombo foi o responsável por levar o cacau até a Europa, apenas como curiosidade, tornando naquela época como grande especiaria por toda a Europa.

No início, apenas mulheres, nobre e sacerdotes consumiam o alimento em cerimônias religiosas.

Depois o cacau foi se popularizando e após o aperfeiçoamento de diversas técnicas chegou-se ao licor, criando-se um chocolate em pó de boa qualidade, o que tornou possível a criação do primeiro chocolate em barra.

O chocolate se populariza pela Europa, e em 1700 as Casas de Chocolate passam a competir com as tradicionais Casas de Café de Londres. Uma xícara de chocolate quente não era mais um luxo somente para os ricos.

A revolução Industrial e a invenção de diversas máquinas tornaram possível a produção em massa, além de tornar os produtos mais baratos, e o mesmo aconteceu com a indústria do chocolate.

No ano de 1746 é que se tem registro da primeira plantação de cacau no estado da Bahia. Em 1752, o cacau chegou à cidade de Ilhéus, tornando-se o principal polo de cacau da Bahia e com o maior porto exportador do país.

Típico de clima tropical, o cacaueiro encontra no Brasil um ambiente ideal para o seu cultivo, principalmente nas regiões do Espírito Santo e o sul da Bahia, Ilhéus. Hoje, nosso país (na safra 2011/12 produziu 220 mil toneladas) é o maior produtor da América Latina e um dos maiores do mundo ao lado da Costa do Marfim, de Gana e do Equador.

Em 1875, um fabricante suíço de chocolate criou uma barra de chocolate ao leite, usando leite fresco. Desde então, numerosas fábricas de chocolate em diversos países desenvolveram os mais variados tipos de chocolate – ao leite, amargo, meio amargo, branco, trufado, com sal (pode acreditar, já existe chocolate com pequenos grãos de sal), com ou sem nozes, licor e sem licor, e inumeráveis tipos de chocolates para satisfazer a todos os paladares e bolsos.